Entre namoro religiosa

Estou apaixonado, mas tenho medo

2020.10.06 22:10 helloraphone Estou apaixonado, mas tenho medo

Em janeiro deste ano, terminei um relacionamento de 11 anos e meio que me fez sofrer demais. Sofri tanto que terminei por telefone dizendo "estou encerrando esta ligação e nosso relacionamento". Desde então, nunca mais falei com o ex e minha vida segue normalmente. Mas que ano errado para terminar um namoro e ver as possibilidades, não é mesmo?
Desde então, estou no Tinder, saí com alguns caras.
Logo depois do carnaval, dei um match FODA. Era um baiano que passou o carnaval em São Paulo e tinha acabado de ir embora para a Bahia. Chama-se Theo, tem 28 anos, é de Áries com ascendente em peixes. Ele programava passar o aniversário dele, em abril, em São Paulo. Como sabemos, os planos foram por água abaixo, mas mantivemos o contato e nos falamos quase sempre desde então. Somos muito sinceros um com o outro, temos o mesmo gosto musical, temos assunto que não acaba mais, ele gosta de cozinhar, eu também, além de ser 100% meu estilo fisicamente. Chegamos a fazer chamada de vídeo de mais de três horas de duração sem ver o tempo passar. Agora, ele pretende vir para São Paulo em novembro, no entanto depende do processo seletivo de uma pós-graduação para isso acontecer. Esta seria a chance de nos conhecermos pessoalmente e provar se nossa química bate mesmo.
Com a pandemia, em Abril, vim para o interior de São Paulo resolver umas coisas e apenas voltei para a capital para resolver algumas coisas, mas estou aqui quase que direto desde então. Até conheci algumas pessoas e alguns deles viraram amigos, pois não gostaria de me comprometer, já que tinha o Theo como principal pretendente.
Só que em Junho conheci o Thiago (mudei o nome pois a cidade é muito pequena e só ele tem o nome real dele aqui), nascido aqui na cidade, com 28 anos, áries com ascendente em escorpião. O tipo dele me agrada demais, mas nem chega perto do estilo do Theo.
O que era para ser apenas uma trepada, acabou meio que saindo do controle. Sentimentos aflorados por conta do isolamento, um ótimo encaixe na cama e acontecimentos diversos (o pai dele faleceu pouco mais de um mês depois de nos conhecermos) fizeram com que nos uníssemos mais e me despertasse sentimentos que eu não esperava. Frequentamos a mesma religião, somos da umbanda, vou ao terreiro que ele vai mais de uma vez por semana, conheci os irmãos dele da casa, já convivo um pouco com todos os amigos dele. Ele se declarou muito para mim e eu sempre tentei puxá-lo para o chão, para não se iludir - afinal, tenho o Theo ainda como prospect.
Viajei para São Paulo por alguns dias e, antes de ir para lá, Thiago conversou comigo dizendo que era melhor pararmos naquele momento. Eu concordei. Mas, otário que sou, acabei me apaixonando e ele assumiu que só estava com medo de se envolver ainda mais. Quando voltei, continuamos a nos ver e seguimos o baile.
Apesar das afinidades com Thiago, ele tem alguns comportamentos que não me agradam. Ele usa maconha com frequência, o que já não ligo mais, mas chega a usar drogas mais pesadas eventualmente, tem um pouco de ciúmes e nas últimas vezes foi um pouco mais hard no sexo, o que chega a me machucar, mas sempre peço para ele se controlar - e ele se controla. Só que eu adoro sexo oral, e ele não faz em mim, apenas eu nele.
Recentemente comentei com uma amiga da família daqui da cidade com quem eu estava me relacionando e ela chegou a falar que ele foi até preso. Cheguei a fuçar sobre a vida dele e encontrei, de fato, esta informação. Mas aparentemente foi uma situação de desacato, o que, para mim, não parece tão grave, principalmente levando em conta o fato de ele ser negro e a cidade ser um forte reduto racista, com histórico nazista, etc.
No penúltimo final de semana, fomos para uma cachoeira aqui mesmo na cidade. Conversamos um pouco, ele me confessou continuar com medo de se envolver, mas disse que conversou com a Pombagira da mãe do terreiro que frequentamos, e ela disse que nossos caminhos se cruzaram para não se separarem mais, mas não liguei tanto pra isso, pois acredito que nós mesmos traçamos o nosso destino, dentro do nosso karma e das possibilidades que temos.
Depois que fomos embora da cachoeira, eu vim para a minha casa, conversamos coisas agradáveis pelo WhatsApp, sobre como tinha sido o dia, ele me mandou as fotos que tiramos (primeira foto juntos em três meses nos vendo) e pediu para que eu olhasse o status dele (os stories do WhatsApp). Aí que me deparo com a nossa foto e a legenda "o dono do meu <3", seguido de um print da conversa que estávamos tendo, em que eu agradecia pela oportunidade de conhecer coisas novas (sou super urbano e nunca tinha ENTRADO em uma cachoeira até então).
Essa publicação dele me deixou surtado, pois não esperava que ele fosse revelar para a cidade toda nossa relação e, de quebra, fazer uma declaração para mim para todos os amigos DELE verem (ainda bem que não temos amigos em comum).
Naquele mesmo dia, ele foi para um bar com amigos, desapareceu completamente até segunda-feira, quando dei um puxão de orelha nele por conta destas atitudes, o que influencia principalmente as atividades religiosas que praticamos, que requerem um período de resguardo, sem drogas, evitando o álcool e também sem sexo.
Esta semana nos encontramos novamente para finalmente ficarmos juntos um pouco. Não transávamos há algumas semanas e não estávamos com tempo para ficarmos um tempo considerável juntos. Só consegui encontrá-lo às 19h de sábado, transamos e não era nem 20h já tinha amigo mandando mensagem para irmos para o bar nos encontrarmos com ele. Eu realmente esperava que fôssemos passar um tempo juntos de verdade. Mas, no bar, eu quase não tenho atenção, ele facilmente exagera nas doses, mistura bebidas. Para ajudar, um dos amigos dele estava com cocaína e cheguei a suspeitar que ele teria cheirado também. Imediatamente após minha suspeita, o levei para um canto e joguei a real: "enquanto tiver maconha e álcool, eu aceito. A partir do momento que você passar deste ponto, eu não estou mais aqui". Ele disse que não tinha cheirado, decidi por acreditar nele.
Nas duas únicas vezes que fui para o bar com ele, confusões aconteceram. A primeira, ele se alterou com os amigos e eles começaram a discutir entre si. Na segunda, um dos amigos exagerou na dose, e ele ficou ali para controlar a situação (mas sempre com discussão e atitudes exageradas). Ambas as vezes, eu apenas assisti, de longe, pois bebo muito pouco e mal conheço aquelas pessoas, mas entendo que não sejam as melhores companhias. Soube que um deles, que namora, faz bicos de garoto de programa escondido do namorado para "complementar e renda". E os amigos acobertam.
A questão é que quando estamos juntos, ou nos dedicando à nossa religião, ele é uma pessoa completamente diferente. Dócil, carinhoso demais. E eu me apaixonei por esse Thiago. Só que os demais pontos me chateiam demais e não sei como abordar isso. Sou muito inseguro por conta do meu antigo relacionamento e tenho medo de estar cometendo erros também e não enxergar (estou certo que nenhum dos meus erros são como os descritos acima).
No último sábado, dia da confusão com um dos amigos que exagerou na dose, quando tudo se acalmou, mas ele ainda estava alcoolizado, disse que me ama. Eu retribuí as palavras porque estou certo de que este é o meu sentimento - e não preciso estar bêbado para colocá-lo para fora.
Só que no meio de tudo isso eu estou com medo. Meus amigos falam para eu viver o momento e não me prender à hipótese de conhecer o Theo quando ele vier para São Paulo, ou eu ir pra a Bahia.
Estou me prendendo a essa possibilidade quase remota da vinda do Theo para cá?
Acham que devo ser sincero com o Theo, como sempre fui, e explicar para ele o que está acontecendo, mas tentando deixar as portas abertas?
Como posso expor o que me incomoda sem parecer uma tia mandona?
O fato de eu ter saído de um relacionamento conturbado me dá muito medo de entrar em outro tão pouco tempo depois - e no meio de uma pandemia.
Vivo o momento com o Thiago e deixo ver o que rola?
Agradeço muito se me ajudarem.
submitted by helloraphone to desabafos [link] [comments]


2020.09.24 16:34 roody_mirys Tenho HPV.

Peguei HPV no meu único namoro. No início nasceu uma bolinha, como um pelo encravado, na base do meu pau, continuei me depilando com gilete e aumentaram as bolinhas, até eu perceber que aquilo não estava certo.
Nunca tive uma vida sexual bem desenvolvida, fui começar a transar só depois dos 19 e iniciando as relações com prostitutas, fiquei com poucas garotas "civis", acredito que umas 7 que não eram profissionais do sexo. E muitas, muitas prostitutas, mesmo. A maioria das relações foram com proteção, mas confesso que fiquei com umas três prostitutas sem camisinha, nunca contraí nenhuma DST dessas relações, apenas com a minha primeira namorada, com quem me acostumei a foder no pelo. Agora acho complicado de usar camisinha, não sei se consigo voltar a usar, pois sempre demoro pra gozar.
O principal problema da minha vida sexual deve ser resultado de um estupro ainda na infância, a minha família também é muito religiosa, então tinha aquele papo de não ficar com qualquer pessoa e buscar uma relação séria, além dos problemas de grana. Não dá pra namorar sem ter dinheiro, né? E éramos uns fodidos, na parte de grana, na infância e adolescência.
Em uma conversa com essa minha ex, logo que começamos a namorar, conversamos sobre DST e sobre nossas vidas sexuais anteriores, contei tudo pra ela, e ela me falou do HPV, disse que foi curada. Na verdade o HPV pode ser tratado, removendo as lesões, mas provavelmente deve ter continuado na pele dela, sem ser detectado, a garota deve ter desenvolvido resistência aos poucos, não criando novas lesões. Eu me fodi, mais uma vez, lembro que logo no começo eu pensei em tomar a vacina, mas depois esqueci do caso. O HPV também pode surgir entre 2 meses até 20 anos, então pode ser que nem tenha contraído dela, mas isso já não importa.
Faz pouco mais de 9 meses que estou tentando tratar isso, segundo a internet, a maioria dos casos são resolvido em média até 24 meses. Isso é uma merda, eu tenho que queimar o meu pau com um produto químico, para reduzir as verrugas e pros meus anticorpos terem chance de combater o vírus. O medicamento que melhor funcionou, por hora, foi a podofilotoxina. Ainda quero testar o imiquimod. A maioria dos médicos me parece despreparada, só querem queimar esses troços com ácido tricloroacético, mesmo eu explicando que esse produto mais me causou cicatrizes e ainda espalhou mais o vírus do que trouxe bons resultados. Eles nem se quer apresentaram o imiquimod ou a podofilotoxina como opções de tratamento, só achei isso pesquisando na internet. Só espero que esse trambolho não vire um câncer.
Em quanto isso, me reservo na solidão, parei de transar assim que comecei o tratamento, não confio em camisinhas porque elas não cobrem toda a área da lesão, pois é na base do pau, não quero correr o risco de encontrar uma pessoa legal, de quem eu goste e acabar passando isso pra ela. O foda é ter que arrumar desculpas pra não transar, sou mais ou menos bonito e chamo a atenção das mulheres, há bastante assédio por parte delas, também estou bem empregado, então não há mais impedimentos na parte financeira e a minha confiança melhorou muito, superando vários aspectos do trauma do estupro. As coisas se acertaram, mas agora me aparece isso. Devo ter feito muita coisa errada na sexualidade da vida passada, esse troço só pode ser carma.
Moro em uma cidade pequena, menos de 5 mil habitantes, me mudei faz um ano, acho que estou ficando com fama de ser gay, por ter que dispensar as mulheres.
submitted by roody_mirys to desabafos [link] [comments]


2020.08.19 02:57 fotosintetico Minha tristeza e aflição por falta contato com garotas

Eu cresci em uma família muito religiosa, por isso cresci achando q namorar sem o intuito de se casar era errado Sendo assim acabei q por muito tempo me distanciando das garotas sem conversar sem tocar sem nada desde criança, nunca soube como sequer falar,por isso elas sempre me trataram com diferença e nojo ,sofri e sofro com as consequências até hoje de nunca ter me aproximado muito de garotas ,olho para os lados e me vejo diferente dos outros vejo eles crescendo na vida conversando com garotas todos eles, e eu até hoje sem ter uma grande conversa ,beijo ou sequer um abraço,até hoje passo por depressões vão e vem , a sensação de ser diferente dos dos outros sempre me deixou muito mal ,saber q todos a minha volta já namoraram se beijaram me detona ,não ter me aproximado na idade certa acabou comigo transformando em uma luta diária de não me aproximar, Minha irmã sempre teve bons contatos com meu pai de falar sobre namoro, aos 14 anos ela conversou com meu pai sobre, e ele disse q só deixaria ela namorar qnd ela tivesse 16, o tempo passou hoje tenho 16 anos e nunca conversei com ele sobre Os meus pais sempre desconfiavam q minha irmã estava namorando ,passando por seria discussões entre eles ,hoje ela tem 21 anos e namora com um cara a 3 e meus pais apoiam, Uma das coisas que mais me deixa mal e que mesmo a minha irmã tendo passado por tudo que eu passei ela ainda beijou com 12 anos namorou várias vezes ,teve mais amigos homens do que mulheres ,e eu ainda aqui com 16 e nada E de mim meus pais nunca suspeitaram nunca colocaram regras me fazendo ainda mais triste por nem meus próprios pais pensarem algo melhor de mim
Isso acaba comigo diariamente
submitted by fotosintetico to desabafos [link] [comments]